A importância da diversidade no conselho de administração

A consultoria Spencer Stuart divulgou algumas tendências e práticas de governança na terceira edição do Brazil Board Index 2017. O foco foi na composição do Conselho de Administração. Para o estudo foram analisadas 176 empresas listadas nos segmentos especiais da [B3], Bolsa de Valores do Brasil. Alguns dos resultados incluem (fonte Spencer Stuart):

  • Menos da metade das empresas (44,3%) apresentam pelo menos uma mulher em conselhos;
  • As mulheres representam 8,2% do total de membros, uma das percentagens mais baixas na comparação internacional;
  • O percentual de Conselheiros estrangeiros é 8,7%;
  • O percentual de Conselheiros independentes é de 33%, um dos menores números de membros independentes por conselho, na comparação internacional.

No resultado observamos a questão da diversidade de gênero, da participação dos estrangeiros e membros independentes, aspectos avaliados com relação à diversidade no Conselho de Administração das empresas brasileiras. No entanto, quando tratamos do assunto precisamos ir um pouco mais além.

Antes, temos que entender que, basicamente, um Conselho tem duas funções primordiais: supervisão da gestão e criação de valor a longo prazo. Quando ele é composto por pessoas parecidas, com background similar e que pensam igual, seu poder de atuação é enfraquecido. Diversas formações e experiências em Conselhos de Administração fortalecem o desempenho dos mesmos e promovem a criação de valor para acionistas em longo prazo.

Diferentes linhas de raciocínio e perspectivas contribuem para uma boa tomada de decisão e, por consequência, permitem que as corporações prosperem. Portanto, a diversidade no Conselho de Administração é essencial para que conselheiros liderem a Governança Corporativa de modo que ela realmente traga valor para a empresa e seus acionistas.

Para esmiuçar um pouco mais, elencamos alguns dos motivos pelos quais você deve levar em consideração a diversidade no Conselho de Administração.

Diversidade no Conselho de Administração = Tomada de decisão mais precisa

Para discussões produtivas do CA é essencial incluir diferentes perspectivas. Isso significa contar com conselheiros de diferentes background, idade, gênero, etnia e formação profissional. Quando um assunto é analisado por variadas perspectivas a tomada de decisão é feita baseando-se em uma análise muito mais minuciosa.

Aliás, o próprio Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) diz que a diversidade beneficia a pluralidade de argumentos e garante tomadas de decisão mais precisas. Por isso, na formação do Conselho de Administração leve em consideração membros que sejam capazes de comunicar diferentes pensamentos e opiniões. 

Diversidade no Conselho de Administração = Impacto positivo nas discussões

O Conselho é responsável por importantes tomadas de decisão, sendo que um de seus objetivos está em identificar e avaliar riscos e oportunidades que podem impactar na missão da organização. Além disso, as decisões dos conselheiros são como um roadmap para a empresa, pois guiarão como ela deve se portar para garantir a efetividade da Governança Corporativa.

Conselhos bem-sucedidos precisam de conselheiros com diferentes experiências e que saibam comunicar com clareza ideias opostas sobre assuntos desafiadores para a organização. Essa diversidade no Conselho de Administração é fundamental para termos uma oposição saudável no CA, isto é, do tipo que não concorda com tudo e que traz diferentes pontos de vista que podem ser enriquecedores para as discussões.

Diversidade no Conselho de Administração = Diversidade de perspectivas

Se todos os membros de um Conselho de Administração concordarem com tudo, não haveria necessidade de existir um CA, pois uma única pessoa resolveria todos os problemas, concorda?

Qualquer conselho tem um desempenho melhor quando há diversidade cultural, de pensamentos e de ideias. As diferentes perspectivas de um CA diversificado ajudam os membros a identificarem ameaças no ambiente corporativo que poderiam ter passado de forma despercebida.

Diversidade no Conselho de Administração = acionistas e demais partes interessadas satisfeitos

Os membros de um Conselho de Administração avaliam riscos, elaboram estratégias e traçam ações. Do lado de fora da empresa, investidores, clientes, mídia, reguladores e tantos outros papéis acompanham o CA para ver como os desafios da corporação estão sendo administrados.

Ter diversidade no conselho envia uma mensagem clara aos acionistas, clientes e ao público de que a corporação é sensível a diferentes ideias. Além disso, mostra que ela leva em consideração diversos pontos de vista. Isso traz a garantia, especialmente a acionistas e stakeholders, de que cada ação será analisada e discutida sob diferentes ângulos. 

Diversidade no Conselho de Administração = Melhora na reputação da marca

Além do fato de que a diversidade no Conselho de Administração projeta uma impressão positiva de um conselho bem administrado, um CA diversificado também proporciona vantagem competitiva à empresa.

Diferentes gêneros, idades, etnias, expertises e background criam o cenário para que ideias sejam abordadas a partir dos mais variados ângulos. Quando há diversidade no Conselho de Administração é quase certo que essa mesma diversidade seja levada em consideração em todos os níveis organizacionais da empresa.

Quem ganha com isso é a reputação da marca, já que um conselho deve refletir a diversidade de sua alta administração, seus empregados, seus acionistas e sua comunidade.

Por fim: Diversidade melhora a Governança Corporativa

Para encerrar, temos a pergunta: O que a Governança Corporativa tem a ganhar com a diversidade no Conselho de Administração? Em primeiro lugar, o CA é conhecido como guardião das práticas da Governança (definição dada pelo IBGC).

Conforme explicamos neste post, “Governança Corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

Uma diversidade no Conselho de Administração não apenas melhora o relacionamento entre executivos e acionistas, como também mostra a todos os stakeholders que há uma preocupação por parte da empresa em obter um aconselhamento estratégico mais preciso, proveniente de uma sociedade plural e diversa.

O Conselho de Administração é o órgão que garantirá que a empresa inteira atue dentro das linhas da transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. Toda tomada de decisão ganha mais força quando é baseada em perspectivas diferentes. Isso só é possível a partir do momento que conselheiros contribuam para trazer à tona perspectivas e análises diferenciadas, o que acontecerá quando a diversidade no Conselho de Administração for uma realidade.

Caso você tenha interesse em entrar na discussão, fique à vontade para entrar em contato conosco. E se este artigo foi sido útil a você, compartilhe-o com seus colegas. Aproveite que está aqui e acesse o Glicando, o blog da Glic Fàs, e fique por dentro de nossos materiais.

Créditos imagem: Unsplash por Rawpixel

2 respostas
  1. Antonio Carlos Barbosa dos Santos diz:

    Isto me faz lembrar a linguagem figurativa de um vaso em uma mesa de reunião, onde cada participante tem uma visão distinta do mesmo e a contribuição positiva que cada um aporta, garante uma resposta mais imediata e efetiva para a demanda que se propõe.

  2. Patricia C Cucchiarato Sibinelli diz:

    Eu gosto muito de usar as diferentes lentes: microscópio, óculos, luneta, telescópio! Cada pessoa traz seus valores, suas experiências, suas dores, suas vitórias para o ambiente de trabalho, e a interação entre diferentes evita a “miopia” ou as inferências e vícios na solução de problemas, ao contrário é sinérgica e constrói!

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *