É possível adotar a Governança Corporativa em PMEs?

As práticas de governança corporativa (GC) são essenciais para aumentar o desempenho e a eficiência da empresa. O natural é pensarmos em GC para grandes corporações. No entanto, quanto mais cedo as práticas de Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas (PMEs) forem adotadas, mais benefícios as organizações colherão principalmente em longo prazo. Isso porque em linhas gerais a GC fornece um conjunto fundamental de ferramentas que pequenos e médios negócios podem utilizar como apoio à sobrevivência e ao crescimento competitivo.

Como a Governança Corporativa regula a maneira pela qual uma empresa é dirigida, ela resolve problemas referentes à ausência de controles e processos formais, tornando muito mais forte a imagem da organização perante o mercado.

Já que temos abordado o tema da Governança Corporativa em nosso blog (neste link você pode acompanhar nossas publicações sobre GC), hoje nossa atenção será em como as pequenas e médias empresas podem se beneficiar. Para começar, vamos responder a uma pergunta muito comum:

Será que não é cedo para pensar em governança na minha empresa?

A Governança Corporativa em PMEs faz com que as empresas, desde cedo, sejam gerenciadas com base em um conjunto de princípios e ferramentas que evoluem à medida que o negócio cresce. Por exemplo, os controles internos, por mais simples que possam parecer, ajudam a evitar fraudes e permitem um planejamento e relatórios financeiros mais precisos.

Empresas que seguem os princípios da Governança Corporativa mostram ao mercado que são transparentes em suas operações, o que dá maior confiabilidade, além de preparar o negócio para futuras operações de mercado de capitais, como fusão e aquisição, IPO, entre outras.

Outro ponto a destacar é que vários provedores de capital de risco para PMEs, tais como private equity e venture capital, entendem que boa governança significa mais segurança e melhor retorno sobre o investimento.

Quais os motivos da adoção da Governança Corporativa em PMEs?

São quatro os princípios que norteiam a GC: transparência, prestação de contas, responsabilidade corporativa e equidade. Esses elementos contribuem para uma melhor e mais transparente relação entre shareholders (detentores de ações ou cotas) e stakeholders, conciliando interesses.

Outros benefícios da Governança Corporativa em PMEs:

  • Garantia de sustentabilidade do negócio;
  • Crescimento da empresa;
  • Aumento de valor;
  • Promoção da transparência aos investidores e público interessado;
  • Acesso ao mercado de capitais;
  • Adequação aos padrões internacionais;
  • Administração de conflitos de interesses;
  • Profissionalização da estrutura;
  • Atendimento a regulamentações.

À lista de vantagens podemos citar ainda:

  • A redução de desperdícios, pois funcionários treinados para seguir uma boa prática ética evitarão o desperdício excessivo de recursos da empresa e,
  • O fato de que a prática da transparência reduz os riscos de corrupção, fraudes e má administração.

Assim como ocorre nas grandes empresas, outro benefício da Governança Corporativa em PMEs é o aumento de produtividade e agilidade nas entregas. Isso graças à otimização de tempo em vários processos.

Entre os principais motivos para o fim de um negócio estão conflitos entre sócios e acionistas. A governança trabalha na estruturação de relacionamentos para que essa relação seja equilibrada e busca, por meio de suas boas práticas, evitar que disputas pessoais coloquem o futuro do negócio em risco.

Por fim, mas não menos importante, está o fato de que ao adotar os princípios da GC a empresa torna-se mais estruturada e, consequentemente, se transforma em um atrativo para os investidores.

Exemplos de práticas de Governança Corporativa em pequenas e médias empresas

A Governança Corporativa possui uma estrutura que especifica como deveres e responsabilidades são distribuídos entre diferentes partes interessadas, como diretores e acionistas, por exemplo. Também, explicita regras e procedimentos para a tomada de decisões em assuntos corporativos.

Um bom exemplo de práticas de Governança Corporativa em PMEs é o de formar essa estrutura. Para começar, vem a formação do Conselho de Administração. Em empresas familiares é necessário implementar um Conselho Familiar para definir limites entre interesses familiares e empresariais, planejar sucessão, entre outros objetivos.

Ainda sobre a estrutura, é indicado contratar uma auditoria independente e ter uma equipe de auditores internos. Outras práticas da adoção da Governança Corporativa em PMEs incluem:

  • Segregação de funções e plano de remuneração e deveres dos executivos;
  • Gerenciamento de riscos;
  • Elaboração do código de conduta;
  • Elaboração de uma política de transparência de informações com os stakeholders;
  • Acordo de acionistas;
  • Planejamento Estratégico com revisão contínua;
  • Relatórios e ferramentas de Gestão.

Como adotar os princípios da Governança Corporativa em PMEs?

Para começar, a fim de estruturar uma efetiva Governança Corporativa em PMEs a alta administração deve ter clareza sobre a estratégia de longo e médio prazo da empresa, o apetite ao risco da organização e, claro, mostrar todo seu apoio às políticas e aos procedimentos em vigor, agindo com honestidade, integridade e profissionalismo.

É importante que a PME implemente na prática políticas e procedimentos rigorosos, eficientes e transparentes para todas as áreas de operação. Reforçando o que foi mencionado no tópico anterior, algumas das políticas e procedimentos aconselháveis são:

  • Código de Ética e Conduta Organizacional;
  • Procedimentos para monitorar transações financeiras;
  • Procedimentos para identificar possíveis conflitos de interesses;
  • Procedimentos de Transparência e Divulgação;
  • Canal de comunicação para denúncias de práticas ilegais;
  • Plano de cargos, com descrição de competências e experiência exigida para cada função e responsabilidades bem definidas;
  • Política de Remuneração formal, cujos procedimentos de implementação devem estar alinhados com a cultura da empresa, objetivos de longo prazo e estratégia, bem como com o ambiente onde a empresa atua;
  • Possuir um departamento de Auditoria Interna e contratar empresa para auditoria externa.

Não podemos esquecer que transparência e divulgação são essenciais para uma boa governança corporativa. Muitos dos grandes escândalos contábeis do passado ocorreram, em parte, à divulgação inadequada. A falta de transparência – que pode ser atribuída à insuficiência de informação fornecida aos funcionários e ao público – pode ser corrigida com procedimentos e canais efetivos de transmissão de informações.

Portanto, adotar a Governança Corporativa em PMEs significa a organização ter sistemas em funcionamento para garantir que informações corretas e relevantes ​​sejam compartilhadas externa e internamente.

Concluindo

Aceitar e adotar os princípios da Governança Corporativa é algo essencial para empresas que buscam um crescimento sustentável. Quanto mais cedo começarem, mais cedo colherão os frutos de uma gestão com transparência, prestação de contas, responsabilidade corporativa e equidade.

Esperamos que você tenha entendido a importância da adoção da Governança Corporativa em PMEs. Caso tenha ficado com dúvida, ou queira complementar o que abordamos neste artigo, envie-nos um comentário. E se este artigo foi sido útil a você, fique à vontade para compartilhá-lo com seus colegas. Aproveite que está aqui e acesse o Glicando, o blog da Glic Fàs, e fique por dentro de nossos materiais.

Créditos imagem: Unsplash por Helloquence

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *