bani versus vuca

BANI versus VUCA: uma nova sigla para descrever o mundo

Bem-vindo à era do caos. É assim, em suma, que descrevemos o mundo BANI, o sucessor do mundo VUCA. Se você é acostumado ou tem uma familiaridade com siglas, provavelmente já ouviu falar na segunda. Mas o que exatamente significa BANI? Como aconteceu a transição?

Para responder a essas e outras perguntas, invista alguns minutos na leitura deste artigo.

O que é VUCA?

VUCA significa Volatility, Uncertainty, Complexity e Ambiguity. O conceito foi criado pelo Army War College, dos Estados Unidos, no final dos anos 1980 para descrever o cenário do mundo pós-Guerra Fria: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade (traduzido para o português).

Rapidamente, o termo se espalhou entre lideranças militares, até que passou a ser adotado por empresas em diversos setores de atividade a fim de descrever os problemas que enfrentam. Para entender melhor:

  • Volatilidade (V – volatile): relacionada à imprevisibilidade e extensão da mudança, operar em um ambiente volátil significa enfrentar desafios frequentes que atrapalharão o andamento de atividades diárias. Por conta disso, muitas vezes é difícil diferenciar entre urgência e importância.
  • Incerteza (U – uncertainty): resultado de ambientes voláteis, está relacionada à incapacidade de prever e medir certos eventos externos. Em outras palavras, ninguém pode antecipar e prever com exatidão o que o amanhã trará.
  • Complexidade (C – complexity): caracteriza-se por um ambiente no qual há informações que estão disponíveis ou podem ser previstas, mas seu volume ou natureza podem torná-las difíceis de serem processadas.
  • Ambiguidade (A – ambiguity): leva à emissão de diferentes mensagens, aos mal-entendidos, à confusão entre causa e efeito, aos conflitos de interesses (voluntários ou não) ou à impossibilidade de entender completamente uma situação.

No entanto, para alguns especialistas e algumas publicações, o mundo precisava ainda de mais duas definições. Assim rugiu o termo MUVUCA.

MUVUCA

O chamado mundo MUVUCA é uma transformação do VUCA. Desse modo, além de ser volátil, incerto, complexo e ambíguo, a realidade é significativa e universal (meaningful e universal):

  • Significativo (M – meaningful): tudo que fazemos precisa ter um senso de propósito, pois é ele que dá sentido aos nossos atos e escolhas.
  • Universal (U – universal): nossas decisões impactam o todo.

As definições de VUCA e MUVUCA podem até ter servido por um tempo, mas novos tempos exigiram mudanças. Por isso, atualmente fala-se de um novo termo: BANI.

A transição

Conforme mostramos, o conceito de VUCA é claro. Todavia, percebemos o quão obsoleto ele se torna na nossa realidade, afinal, falar de um mundo volátil e ambíguo, por exemplo, parece não descrever o que realmente vivemos.

Como VUCA (ou até MUVUCA) descreve uma visão cada vez mais longe da nossa realidade, Jamais Cascio, professor da Universidade da Califórnia, historiador, pesquisador e membro do Institute for the Future, cunhou o acrônimo BANI.

O que é BANI?

mundo BANI

Facing the Age of Chaos” é o título de um artigo publicado pelo próprio Jamais Cascio na plataforma Medium. Traduzido para “Enfrentando a era do caos”, é uma boa explicação sobre o que se trata o mundo BANI, acrônimo para Brittleness, Anxiety, Nonlinearity and Incomprehensibility.

Em português, BANI significa Fragilidade, Ansiedade, Não linearidade e Incompreensibilidade, segundo detalhamos.

  • Fragilidade (B – Brittleness): os últimos tempos nos mostraram que o mundo é frágil. De uma hora para outra pode aparecer um vírus, um concorrente pode mudar a lógica do mercado ou uma falha do outro lado do mundo pode afetar o nosso continente. Nesse contexto, empregos não são mais garantidos, posições não são sinônimo de segurança e mudanças de carreiras são normais.
  • Ansiedade (A – Anxiety): a certeza de que os sistemas são frágeis nos deixam ansiosos. Precisamos tomar decisões rapidamente, pois qualquer minuto perdido parece nos deixar mais para trás. Em um contexto BANI a diferença entre sucesso e fracasso pode estar no tempo de resposta às fragilidades que enfrentamos.
  • Não linearidade (N – Nonlinearity): em um ambiente não linear uma pequena decisão pode ter consequências devastadoras. Um grande esforço pode não trazer grandes resultados. Ao perder a linearidade, os altos e baixos não são proporcionais. Aprendemos que consequências de qualquer causa podem emergir rapidamente, ou podem demorar meses para que os resultados apareçam. Nada mais é certo, e isso inclui o planejamento estratégico, pois fica claro que o mesmo deve ser adaptável às circunstâncias.
  • Incompreensibilidade (I – Incomprehensibility): tentamos achar resposta para tudo e nos baseamos em dados e nas inúmeras informações que temos de todos os lados. Contudo, a sobrecarga resulta na incompreensibilidade. Perguntar “como foi que isso aconteceu?” parece ser natural, mas a resposta não é tão óbvia assim. A toda hora nossos conceitos e ideias mudam. Tudo acontece tão rápido que cada vez mais parece que entendemos menos.

Como seu negócio deve agir em um mundo BANI?

Não existem mais regras fixas. Nesse mundo caótico passamos a ter uma grande incerteza do que está por vir. Percebemos, em níveis pessoal e profissional, que estratégias de longo prazo não fazem mais sentido. O que acontecerá daqui a 6 meses? Um ano?

Empresas querem garantir a sobrevivência. Negócios testam novos serviços, novos meios de comunicação, nova linguagem. Algumas ideias pareceriam ilógicas meses atrás e não estavam em nenhum planejamento. Mas em um ambiente BANI aprendemos que nada é certo e nada é para sempre. O que importa é passar pela tempestade.

Um artigo publicado neste site mostra como podemos responder aos desafios atuais olhando para cada letra da BANI:

  • Se algo é frágil, precisamos mostrar capacidade e resiliência.
  • Se nos sentimos ansiosos, precisamos de empatia e atenção plena.
  • Se algo é não linear, exige contexto e adaptabilidade.
  • Se algo é incompreensível, exige transparência e intuição.

Concluindo

Como diz a frase do filósofo Heróclito de Efeso, “a única constante é a mudança”. Apesar de ele ter vivido antes de Cristo, a frase faz todo o sentido ainda – ou especialmente – hoje em dia. Se em um mundo VUCA tínhamos ambiguidade e instabilidade, com o BANI temos o caos e a incompreensão de como todo esse mesmo caos surgiu.

Toda essa incompreensibilidade gera ansiedade, pois não temos mais certeza de nada e nada parece estar em nossas mãos. A fragilidade de nossas vidas e negócios torna-se cada vez mais evidente. Precisamos responder e agir rapidamente, mas se tudo é instável, como saber o que fazer? Qual seria sua resposta? Caso queira compartilhar sua opinião, fique à vontade.

E se este artigo foi útil, compartilhe-o com seus colegas. Para mais conteúdo como este, e para ficar por dentro de boas práticas da gestão de negócios, visite o Glicando, o blog da Glic Fàs.

Créditos imagem principal: Unsplash por Hans-Peter Gauster.

Créditos imagem texto: Pixabay por ElisaRiva.

Contate-nos

Patricia C. Cucchiarato Sibinelli
  • Diretora Executiva
  • Mentoria em gestão de negócios.
  • Tel: (11) 9 9911 0274
Silvio Luiz Zen
  • Diretor Executivo
  • Mentoria em Gestão de Negócios.
  • Tel: (11) 9 9999 6564